As crianças e os medicamentos

Ao administrar um medicamento a um bebê ou a uma criança, é importante adotar uma série de cuidados especiais; e ao utilizar produtos sem prescrição, é necessário ter em conta as seguintes recomendações:

1. Sempre leia a informação sobre os componentes do medicamento e as instruções de uso que estão no rótulo ou no folheto antes de administrá-lo. Saiba bem a quantidade de medicamento a administrar em cada toma e quando se deve repetir a dose.

2. Conhecer o ingrediente ativo do medicamento, ou seja, a substância que faz com que o medicamento tenha efeito, que geralmente está escrito na caixa ou na parte superior do rótulo. Em alguns casos, o mesmo ingrediente costuma aliviar mais de um mal estar, por isso se encontra em muitos medicamentos diferentes. Por exemplo, um produto para tratar um resfriado comum e outro para tirar a dor de cabeça podem conter o mesmo ingrediente ativo, de modo que, se você tratar estes mal estares com dois medicamentos, é possível que se esteja consumindo a mesma dose duas vezes. Diante de qualquer dúvida, a melhor coisa a fazer é consultar com o médico.

3. Nem todos os medicamentos estão indicados para uma criança. Existem produtos que sob uma mesma marca podem ser vendidos em diversas concentrações e fórmulas, dirigidas tanto para crianças como para adultos. A dose e as instruções também são diferentes de acordo com a idade e o peso da criança, por isso é importante segui-las ao pé da letra e não aplicar quantidades maiores do que as indicadas.

4. Consultar com o médico sobre quais medicamentos podem interatuar entre si; em alguns casos, os medicamentos, as vitaminas, os suplementos e alguns alimentos e bebidas não são compatíveis entre si.

5. Utilizar o instrumento medidor que vem com o medicamento, como por exemplo, um conta-gotas, um copinho ou a colherzinha. É possível que outro tipo de medidor, como uma colher de cozinha, contenha uma quantidade inadequada de medicamento.

6. Diferenciar entre uma colher de sopa e uma colher de chá, já que uma colher contém três vezes mais medicamento do que uma colherzinha. Nos aparelhos medidores, uma colherzinha equivale aproximadamente a 5 cc o 5 ml.

7. Conhecer o peso da criança, já que as instruções de alguns produtos sem prescrição são baseadas no peso. É importante não adivinhar ou estimar a quantidade de medicamento que a criança deve consumir, ou tratar de calculá-la baseando-se nas doses indicadas para os adultos. Se a dose que corresponde à idade ou ao peso da criança não aparece detalhada, o ideal é consultar com o médico.

8. Sempre que for possível, utilizar medicamentos com tampas que sejam difíceis de abrir para as crianças e fechá-las bem depois de cada uso para evitar intoxicações. É importante guardar todos os medicamentos (sejam com ou sem receita) num lugar seguro que não esteja nem a vista nem ao alcance das crianças, pois os medicamentos têm um sabor agradável, tem cores atraentes e alguns até são mastigáveis. Caso uma criança ingira uma quantidade excessiva de algum produto, dirija-se ao centro de intoxicações da sua cidade.

9. Examinar o medicamento para comprovar que não tenha sinais de ter sido manipulado nem de estar estragado. O que fazer?

  • Revisar a embalagem exterior para comprovar que não tenha cortes, esteja rasgado ou descolado.
  • Ler a instrução no rótulo interno (bula) para verificar que é mesmo o medicamento correto, e para garantir que a tampa e o selo não tenham sido violados.
  • Examinar a cor, a forma, o tamanho e o cheiro do medicamento. Se for observado algo fora do comum, falar com o médico.

Fonte: Consumer Healthcare Products Association (CHPA).